14.6.07

ordinária

me convide para atividades cotidianas,
como fazer e servir jantar...
beber vinho e lavar a louça. não estou interessada
em sofisticação. nada que não seja natural
me atrai. estou disposta a caminhar por aí,
conversando sobre as coisas simples
que edificam a vida.
a vida é um barraco de papelão,
repleto de recordações. quero saber de
medos,
anseios, contas atrasadas
e flores do mato. nada de rosas embrulhadas
ou mimos que não venham das mãos.
desejo as mãos, elas próprias.
com toda suavidade e ansiedade que carregam
nos dedos. desejo os dedos.
nos cabelos, na nuca, por dentro.
desejo por dentro. esta coisa de
se ser o que se é.
se o mundo acabasse amanhã,
sairia nua porta afora agora mesmo.
já!
não pediria ou exigiria desculpas.
esbanjaria sorrisos e não faria nada além
das coisas que sempre faço.
talvez evitasse o trabalho
e a taquicardia acerca de projetos futuros.
toparia um filho.
quem sabe ele fizesse a roda parar de girar?
quem sabe me desventrasse?
e desinventássemos o supérfluo,
nós todos, depois?
amanheceríamos numa cor de dia, absoluta.
sem matizes que desperdiçam sonhos
nem delírios da abstração.
só coisas cotidianas,
brutas,
imperfeitas.

8 comentarios:

Pá Mariano dijo...

"quero saber de medos, anseios, contas atrasadas e flores do mato. nada de rosas embrulhadas..."

clap, clap, clap!!!
lindo fer.

JC dijo...

EXTRAORDINÁRIA!

JC dijo...
Este comentario ha sido eliminado por el autor.
Diogenes Hosken dijo...

Hey Fernanda!!! Show de bola!!

poupéezinha dijo...
Este comentario ha sido eliminado por el autor.
poupéezinha dijo...

Delírios das abstrações, continuam sendo meu sumo diário.. alimento-me desses devaneios.......... eternamente; o cotidiano me corrói de forma antropofágica- goxtio muitio do seu blogo.. apesar dos nossos diferentes prismas
bisouxxxx!!!!

L. dijo...

poxa, que bonito.

Fernanda Passos dijo...

Isso! Coisas concretas, cotidianas, imperfeitas.
Embora eu "viaje" horrores nos meus escritos. Não entendi ainda porque......... ;)
Lindo.