29.11.08

Espectros

Nunca disse de mim
nada a ninguém.
Permaneci restrita,
implosiva e trancafiada.

Mas segredos são como sombras.

E vagam pela minha alma
caminhando arrastado,
pisando na poeira, nos cacos e
demais restos puídos.

Desejos carcomidos,
silenciosamente derrotados,
pela árdua solidão
dos caminhos que escolhi.

Segredos e sonhos, pesados e imóveis.
Pesados pela supressão dos anos
e imóveis pelo pavor de nascer.

1 comentario:

Cínthya Verri dijo...

Que silêncio medonho da confinação.
Acha que já sabes quem são??

De tanto encolhidos imagino que suspirem os teus lobos...

Mas a vida íntima é um direito inalienável da pessoa - êta bem necessário!