1.4.10

mau gosto

que jeito de ser é este
que não nos teus abraços?
onde está o amor
que andava bem aqui?
e esta boca seca de mel e gozo?
ora, quanta falta de primor!

estas cores desbotadas,
cintura sem enlace,
vontades abortadas
e as mãos a expurgar de mim
este excesso diverso de frio e calor.
não me poupe!
veja quanta falta de primor!

não há paulinho que viole
ou cartola que surpreenda
este amargo dissabor
de língua contida
e este corpo que não bole!
destempero! desespero!
ah...quanta falta de primor!

e a vontade vampira
de sangue quente?
apresse este corpo para cá!
que meu colo quase esquece teu labor!
não fosse teu gosto de pescoço
me rendia
a tua falta de primor...

as luas me passam rentes
nesta tesão míngua
cheia, nova, crescente!
e eu derreto surda entre os dentes.
ora, meu bem, faça-me o favor!
não convém tanta falta de primor!

1 comentario:

Ana dijo...

adoooro, meu preferido entre muitos da Nandita :)