1.7.10

.
.
.
amplidão do amor

ama-se não apenas verticalmente
e tampouco o horizonte basta.
a arquitetura do amor comporta
a complexidade que edifica e desmorona
o indivíduo. ama-se a partir de qualquer
ângulo. ama-se para todos os lados.
ama-se sem teto nem chão.
o amor não cabe nas regrinhas da civilização.

.
.
.

2 comentarios:

Anna K. Lacerda dijo...

Amanhã é distante
A manhã vem e me abraça
A toa eu fico
A toalha vem e me aquece
Amassa meu corpo
A massa de carne, sangue...
Caratê e jazz
Cara de quem jaz
Quem disse?
Dicionário
Cadê?
Cadeado

(meu eu dentro do seu mim)

Ocaso é curto
O caso vem e me escapa
Ímpar eu fico
(in) pares vem e me completam
Afoga meu corpo
O fogo de lágrima, suor...
Linguagem e cama
Língua de quem kamasutra
Quem fez?
Fissurado
Caça?
Caçado.

Marcio Nicolau dijo...

Gosto desse, olha:

"Eu destôo dos modernos
Eu destôo dos antigos
Eu destôo dos amantes, dos amigos
Eu destôo porque estou amando

Eu destôo dos paulistas, cariocas e baianos
Dos paraibanos, nordestinos em geral
Dos gaúchos, dos mineiros
Porque estou amando

Eu destôo dos artistas, prisioneiros
Dos carteiros, jornalistas
Dos vizinhos, dos distantes
Dos de agora e os de antes
Dos sem-causa e militantes
Eu destôo porque estou amando

Eu destôo dos chineses
Claro: dos americanos
Dos meninos palestinos
Das judias já mocinhas
De quem mora na Rocinha
Ou nos Champs-Elysées
Eu destôo de você
Porque estou amando

Eu destôo dos atletas
Das modelos, dos surfistas
Dos senhores, dos coristas eu destôo
Eu destôo do começo ao fim
Principalmente de mim
Porque estou amando."

(Chico César - Porque estou amando)