13.5.08

sempre gabriela?

cansei de ser boazinha. meus amigos vivem dizendo que dou confiança a todo mundo, que não vacilo na hora de emprestar o meu ombro chegado ou dar crédito a desconhecidos. talvez eles tenham razão.

então, embora eu prefira a emoção, ando com ganas de me tornar uma menina má. sendo assim, já rabisquei mentalmente uma estratégia: vou colocar alho envolta do pescoço e me guardar de alguns tipos. os primeiros da lista são os indivíduos-resultado.

explico. sabe aquelas pessoas que são assim ou assado em função dos outros? que empenham toda sua inventividade para criar argumentos e responsabilizar o pai, a mãe, o porteiro e o reverendo pelo que são ou pelo que acontece consigo? pois é.

a culpa é sempre de alguém e as lamúrias, infindas. "reprovei por que o professor era um desinteressado". "sempre quis ser publicitário, mas minha família não me deu força e acabei contador de empresas". "sou insegura por que meu marido me tolhe". e vice-versa-e-vide-o-verso-e-assim-por-diante, os exemplos enchem os dedos das mãos, dos pés e o saco de paciência de qualquer um.

às vezes, sobra até para saturno, vênus ou marte. um professor de astrologia que tive contava que, diante da versão impressa do mapa natal, ou seja, de um desenho ilustrativo sobre onde andavam os planetas quando a pessoa nasceu, algumas figuras costumavam se justificar com uma resignação que ele qualificava como "síndrome de gabriela". algo como uma conveniente voz interior cantarolando "eu nasci assim, vou ser sempre assim...".

ai, francamente, ando com preguiça de gente assim. é claro que a vida seria mais bela se nosso chá já viesse com cravo e canela. vezenquando todos nós gostaríamos de abrir mão do tal livre-arbítrio e depositar as decisões confortavelmente no colo da mãe natureza.

mas se colocar no mundo como um acidente de percurso é uma atitude no mínimo regressiva. uma atraso. uma receita infalível para alcançar a infelicidade. e é disso que eu quero quilômetros de distância.

3 comentarios:

Ma Santa dijo...

Bom blog!!
te roubei alguns links interessantes!!

Fer Poletto dijo...

passei por aqui pra te amar mais um pouquinho. tb um pouquinho mais de saudade corporal ardente.txchiiii

Fabi dijo...

Esse gênero realmente é um dos mais cansativos.
Outro tipo que eu deteesto é quem fala de si horas e horas, e quando a gente tem a vez (ou a voz), a pessoa vira as costas e perde o interesse.
Adorei o post.
Bjos