12.8.09

bloqueio criativo

poucas coisas me deixam tão incoformadas na labuta diária quanto o cerceamento à informação na internet. para quem fica o dia inteiro diante do computador, blogues e redes sociais são como dar uma volta num jardim ensolarado: inspiram, ampliam o foco e impulsionam a criatividade para além dos sites oficiosos das grandes corporações.

nada mais atrasado do que o bloqueio a este tipo de páginas na web. mas, infelizmente, pelo menos no ministério da justiça, parece que o mundo moderno ainda não conseguiu uma brecha para arejar as cabeças compactadas num passado remoto.

quantas vidas, gerações após gerações, se dedicaram a aprimorar a técnica para libertar o homem dos limites geográficos, é uma pergunta que sempre me faço quando aquela tela de acesso restrito se abre no monitor. é o carimbo digital do pensamento arcaico.

a galáxia pipocando de coisas interessantes por aí e eu lá, sentada numa cadeira desconfortável de repartição pública, servil à uma lógica que não consigo compreender. pobres burocratas que ainda não aprenderam a navegar pela contemporaneidade e insistem em ancorar as mentes livres no seu universo limitado.gov.br.

6 comentarios:

Kalango Bakunin dijo...

sem sol nem cores
um pequeno ditador
pisa nas flores

a mal tiempo buena cara dijo...

sem sol nem amores
o grande ditador
proibe as cores

nei 81140634 dijo...

riscos no céu
rastros destrelas cadentes
olhos cegos solitários

hoje às 4 da madrugada,
chuva de meteoros das cefeidas
infelicidade é ver só
mesmo que não ver
oportunidade perdida na vida

aventura na noite? dijo...

Linhas de luz
Descem do infinito
No chifre da lua

Nesta noite só
Me escondo na cama
De costas pro céu

Kalango Bakunin dijo...

de repente uma lua cheia no sinal vermelho ilumina a alma até o verde

1a 2a 3a e vamos nós
descendo nas tesourinhas
subindo nas entrequadras
parando na padaria
ligando o alarme do carro
andando nos pilotis
abrindo a portaria
a porta do apartamento vazio

comendo sem sentir gosto
ligando computador

checando e-mails e blogs
qual náufragas mensagens embotelladas

os amigos encravados
nas suas televisões

Brasilia virou São Paulo

Raíssa dijo...

Nessas horas, o que seria de mim sem meus bloquinhos na bolsa?

Mas falar sozinho é mesmo muito chato...