28.11.13

transmutação



eu travei o corpo, 
enrijeci a carne, 
eu não dormi. 

eu trinquei os dentes. 
eu mudei de cor. 
de credo. de hábito. 

de hálito. 

eu morri de medo! 
eu caí de cama. 

eu doí 
de abstenção 
de ti. 

depois veio a primavera. 
e eu desenhei 
borboletas na pele. 
irmanei com o vento, 
comigo, 
com o tempo...

sorri cada um dos meus gritos. 

e, lentamente, 
o amor 
voou 
voou
voou 


imagem: paula nicho cumez.

1 comentario:

Anna K. Lacerda dijo...

Tudo lindo como a dona que me faz voar! : )