14.2.11

macho, barão, masculino

ainda sobre a red iberoamericana de masculinidades, tive a oportunidade de participar do lançamento da obra "macho, varón, masculino - estudios de masculinidades en cuba", durante a feira do livro, aqui em havana. a publicação é assinada pelo professor julio cézar gonzález pagés e resulta de 15 anos de experiência de trabalho com homens latinoamericanos.

maikel colon pichardo (abaixo, à direita) é um dos fundadores da rede. "posso dizer que minha vida deu um giro de 360 graus quando entrei em contato com este tema e mudei muito como homem, na relação com minha família e com as mulheres. somos educados para ser um produto da sociedade machista e sequer nos damos conta disso, o que dificulta muito mudar esta mirada", acredita.

maikel mora com sua mãe e sua avó na cidade de havana e conta que elas receberam com estranheza a sua mudança de comportamento acerca da sua masculinidade. "custou um pouco até que elas compreendessem, mas logo perceberam que a minha mudança estava sendo para melhor. tudo o que não se encaixa no modelo de como deve se comportar um homem é visto com certo preconceito".

na opinião de yonner angulo rodríguez, (na foto à esquerda) que também é pesquisador da rede, é fundamental aportar uma visão desde ambos os sexos no debate sobre a construção sociocultural das atribuições de homens e mulheres. "não se trata de vitimizar os homens e sim de criar uma nova identidade de gênero", sintetiza.

para yonner, o mais complicado nisso tudo é desmoronar a cultura machista. "o que propomos é algo que supostamente quitaria alguns 'privilégios' dos homens, que acreditam que os papeis que tantos eles quantos as mulheres assumem têm a ver com a 'natureza' de cada um".

na avaliação dos pesquisadores, essa redefinição de masculinidades é uma tarefa diária. "aos poucos vamos encontrando os melhores espaços e descobrindo as melhores formas de comunicar esse novo entendimento. meu desejo enquanto membro do grupo é lograr que as pessoas que estão no meu entorno possam mudar um pouco a sua compreensão sobre essas questões", destaca yonner.

1 comentario:

Maria Cláudia Cabral dijo...

Quero o livro, quero o livro, quero o livro!!! Tem site a red?