24.4.07

síncope do amor raro:
a vida com som de intervalo.
no silêncio, me embalo.

No hay comentarios: