28.2.10

e assim foi...

ela acordou bem cedinho e me beijou com saudade. disse que havia perdido em algum lugar a nascente da própria vontade. precisava partir. precisava se buscar. mas vai para onde, eu perguntei. ela disse não sei, não sei, não sei.

então pensei, pensei, pensei e concluí que ela não havia mais como sair dali, de onde estava, daquele emaranhado de nós. de nós dois. e estava tudo tão bom entre a gente. eu me sentia tão feliz e havíamos feito tantos planos juntos.

mas mesmo assim disse a ela que fosse. que se buscasse em todos os lugares. em cada canto deste mundo. que vasculhasse os ventos e vislumbrasse milímetro a milímetro os segredos da vida.

arrancou-se das minhas pernas em busca do primeiro raio de luz da manhã. deixando meu peito vazio e meu corpo desamparado, ela partiu sem olhar para trás.

eu sei que ela sabia que a vida não vem pra quem não vai. e eu também já sabia que nem mesmo o amor consegue acalmar essa vontade de ir ao encontro de si.

2 comentarios:

Grã dijo...

quem sabe o fez porque intimamente sabia que quem olha prá traz acaba não partindo e parece que ela precisava ir para talvez poder voltar, prás suas pernas, e desta vez olhar prá frente e prá trás!

Gostei de seu texto, é você que se foi de si?

Até a volta!

Bj

Maria Cláudia Cabral dijo...

E esse texto é a tradução do momento. Eu vou em busca de mim. Virei do avesso, mudei de rumo e então olho o mundo nos olhos com o caminho na palma dos pés e os braços de roda gigante.