12.9.13

ilimitado

.
.

quando eu amo nenhum
tempo é suficiente:
arranho um a um dos limites,
me mordo de desdém dos prazos,
arranco os ponteiros com os dentes.
.
.
.
.

1 comentario:

valeria soares dijo...

Todo tempo para amar é pouco!
Muito bom!