21.4.11

mistérios


eu sempre mantive certo zelo ou receio de tornar este blog um espaço muito confessional, mas acabo de mudar de ideia. neste momento da vida, em que ando tão às voltas comigo mesma - puxando o fio de paixões e razões que guardo e por vezes escondo - tudo que posso é me repartir.

trata-se de uma fase bem especial. acontece que estou de férias prolongadas. meu último dia de trabalho foi em 5 de novembro do ano passado e, de lá para cá, tenho me dedicado a viajar pela américa latina e a conhecer lugares e gentes encantadoras.

diferente do que a palavra férias sugere, estive bem atarefada nestes últimos meses. até agora, passei pela venezuela, argentina, uruguai, cuba e guatemala - nesta ordem. fiz um curso de permacultura na província de buenos aires, estudei comunicação e gênero em havana, fui voluntária no país dos maias.

mas o mais interessante tem sido o tempo supostamente ocioso dos meus dias. são nestes longos intervalos de descanso, livres de quaisquer pressões externas, em que mais aprendo e me desenvolvo. não tenho hora certa para acordar, dormir ou produzir. apenas penso, questiono, sinto…

dedicar-se a pensar, questionar e sentir é absolutamente incompatível com o cotidiano da maioria das pessoas, ao menos das que conheço. estamos sempre tão enredados com as contas, os prazos, as metas e outros compromissos futuros que simplesmente não sobra tempo para…viver.

no emaranhado dos meus não-afazeres, cabe uma porção de acontecimentos. posso passar horas a fio mergulhada num livro ou então resgatando velhas lembranças que eu julgava perdidas no baú do meu passado. me vasculho por todos os lados e não são raras as vezes em que me comovo ao dar-me conta de pequenos mistérios.


foto de san marcos, às margens do lago atitlán, guatemala,

3 comentarios:

valeria soares dijo...

Gostaria de um tempo assim pra mim!

GavilaSavilaMavila dijo...

Así debiéramos vivir tod@s la vida! a gozarlo y a seguirte descubriendo! mil besos chica overola!!!!

Grazi Machado dijo...

ah fezinha que delícia... pensei tanto nisso hj enquanto anda de bike, como essa vida corrida muitas vezes nos arranca o presente de viver.
bjos e saudade