29.1.10

.
.
.
.

fim

no espelho da sala escura
a lua nova reflete
estes meus olhos
que já não se reconhecem
nos teus
.
.
.
.

1 comentario:

Lua da Paz dijo...

enquanto um romance de 1915, delirante flor, subvoava os campos da destruicao, a Lua, aquela da Paz falava ao telefone. e era isso. a Lua, a Nova refletia as grades das janelas nos olhos que já nao reconhecem mais os do Céu-Azul.