10.6.05

seqüestro

ontem
tramei de te levar pra casa
secreta, te inventei no meu travesseiro
beijos sorrateiros,
artimanhas pra te esconder dos vizinhos
pintei e bordei nosso caso

depois
imaginei teu rosto nas caixinhas de leite,
nas contas da ceb,
na novela das oito

e tu lá,
enrolado no tapete,
atrás da cortina,
em cima do lustre,
do lado de fora,
embaixo da cama,
dentro de mim.

(eu desdobrada-deliciada-reinventada-todo-dia
mil-e-um-encantos-pra-te-fazer-alegria)


de repente
atinei o mundo
privado de ti,
do teu batuque
tua companhia...

aí ...
contei
até
três
mil
e fui
embora
sozinha

1 comentario:

kov dijo...

lindo, lindo, lindo... adorei as poesias, Nanda! Especialmente seqüestro e poesia perfeita. Sutis e sensuais! assiMétrica é marcante, dolorida.

Tão lindas que mereceram a criação de uma conta especialmente para comentá-las! =D

Parabéns!