2.6.09

furacão

vou rabiscar meu samba
com flores de aço, dobrar esquinas...
e no descompasso das tuas retinas
vou descobrindo o som
do verão

meu bamboleio é descompassado
mas o teu chão é mais sincopado
que o batuque entre o sim e o não...

cada pisada em falso
pela avenida, quebra
o asfalto da minha
sina, cria um atalho
pro teu coração

se este teu cheiro finda em fevereiro
apelo pras bruxas, faço mandinga
rasgo o dinheiro que tem no colchão...

não perco o passo
no asfalto da vida
o meu buraco é mais
em cima... mas teu partido
alto causa sensação

se queres mesmo baixar no terreiro
deixa de lado este teu galanteio
vem quebrar tudo, não tem porque não...

minha chama vinga,
solto a cafuleta,
a minha cocada
tem nada de preta
vem fazer rima com
a nossa paixão...

sou solta e assim é mel na chupeta
só não venha me fazer falseta
que o inferno tá cheio de boa intenção...

no chão do vão
traço verso com o pé
sou bamba e de quebra
faço cafuné mas quero
amor, vem ser meu alazão!

o teu calor é bem passageiro
e meu carnaval dura o ano inteiro...
é só atear o fogo com a mão...

então não venha
ocupar minha cintura
se o teu pandeiro
não for verdadeiro
abre a roda mineiro!
não brinca de cosme são damião...

meu samba ultrapassa o som do verão...
meu samba atravessa o teu coração...
meu samba é mais forte do que um furacão...

1 comentario:

um Louco dijo...

Meu samba me esquenta no inverno ateando fogo em todos os passantes.